Tags

, ,

“The girl who leapt through time” (2006)

Para mim, viagens no tempo são sempre um tema bastante interessante. Podem remeter-nos a eras passadas ou ao futuro e existe um potencial enorme de criar tramas quase incompreensíveis e paradoxos do tempo graças ao numero inimaginável de resultados causados pela teoria do “efeito borboleta”. Mas apesar do tema principal deste anime ter como base essa premissa, não esperem viagens no tempo até um futuro longínquo ou até um passado já esquecido. As viagens passam-se num período de horas, dias ou no máximo de algumas semanas. Todo o argumento gira à volta da capacidade que a personagem principal tem de conseguir viajar (ou saltar – como o título indica) no tempo, quando quer e lhe apetece, e com isso criar múltiplas realidades alternativas causando um autentico caos entre todas as situações que vive e depois tenta corrigir.

O filme começa devagar e sem pressa, demora o seu tempo a estabelecer as personagens e por alguns momentos parece ser uma história sobre nada, algo que certamente irá afastar aquele público que procura algo com mais acção. Porém, à medida que a personagem principal vai amadurecendo durante as suas varias experiências, constantes reviravoltas fazem com que a história fique bastante interessante.

Makoto Konno é uma adolescente comum, com os problemas normais da sua idade, sempre com pressa e a lutar constantemente contra o relógio para não chegar atrasada à escola. Ao lado dos seus amigos Chiaki Mamiya e Kousuke Tsuda, Makoto forma um trio bastante unido que se encontra naquela difícil fase de decidir o seu futuro e o que fazer da vida.

[O próximo parágrafo contém spoilers]

No inicio do filme apanhamos Makoto num dos seus dias “não”. O dia começa logo a correr-lhe mal de manhã, acorda tarde, fica sem pequeno-almoço e chega atrasada à escola. Já na escola apanha com um teste surpresa e tem um acidente numa das aulas onde provoca um incêndio. Para acabar bem o dia, ao regressar a casa, fica sem travões na sua bicicleta quando está a descer uma rua inclinada e por consequência tem um acidente gravíssimo numa passagem de nível… Ou talvez não, pois é exactamente nesse preciso momento que Makoto descobre que consegue viajar no tempo.

Ao inicio ainda está um pouco assustada, mas com o passar do tempo começa a sentir-se mais à vontade e percebe o incrível poder que tem em mãos, o qual lhe vai permitir não só mudar certas decisões do passado, como ainda, prolongar infinitamente alguns dos momentos mais divertidos com os amigos.

Makoto passa então a usar e abusar deste seu poder. Mas eventualmente apercebe-se que por cada pequena coisa que ela muda no passado acaba por ter uma consequência diferente no futuro e que há sempre alguém que é afectado pelas suas decisões. Assim, de todas as vezes que ela não gosta do resultado das suas decisões, volta novamente atrás no tempo para tentar corrigir os seus erros, causando um resultado final diferente de cada vez que o faz. Mas acaba por perceber que não pode mexer com o tempo, pois independentemente de tudo o que tente mudar, e por mais tentativas que faça, o tempo é um inimigo invencível.

Apesar deste anime ser de ficção-científica, a verdade é que vai muito mais além dessa premissa. Eu diria que este é um anime sobre as personagens, sobre emoções, sobre as escolhas que fazemos na nossa vida, sobre os pequenos detalhes que julgamos irrelevantes e que talvez no fundo sejam aqueles que têm mais peso no final do dia, assim como certas situações que que na altura parecem más e poderão ser afinal o inicio de algo bastante bom.

Em termos de animação, apesar de estar bastante bom, não traz nada de novo.

Eu gostei bastante. Apesar de ser não ter muita acção é divertido de se ver pois tem algumas cenas cómicas (a personagem principal é bastante desajeitada) e dá para nos revermos nas personagens, quem é que nunca quis poder voltar a trás em alguma decisão!? Penso que é um bom filme, bastante interessante, emocionante e com uma história sólida, apesar das inúmeras reviravoltas e acontecimentos que repetem de maneira diferente.

Avaliação: 10/10