É sempre difícil escolher apenas uma serie da nossa infância. Mas tinha de começar com alguma e certamente haverá mais oportunidades para falar das outras. Não ficam esquecidas.
Tinha ideia de que a maior parte das series que via quando era mais novo e passavam na RTP eram de origem europeia ou americana. Mas surpreendentemente descobri que muitas delas são japonesas ou em parceria com algum estúdio de animação Japonês.

(eu via a versão dobrada em Francês)

“As Misteriosas Cidades de Ouro” são uma co-produção entre a França e o Japão. E se ainda há series que ao ver o genérico me conseguem provocar um arrepio na espinha, esta é uma delas. Não consigo entender porquê, mas fico fascinado ao ver e ouvir a intro da série. É como se houvesse uma porta que se abrisse e provocasse um remoinho através do tempo e espaço entre o agora e a minha infância e me transportasse para lá. Por breves momentos sou de novo aquela criança que corre para a televisão para ver os desenhos animados sem qualquer tipo de preocupações na vida. E de repente dou por mim a rever os episódios no Youtube e a relembrar-me daqueles tempos.

Lembro-me que via a série à hora de almoço na RTP 2. Na altura andava na escola primária e vinha almoçar a casa. Tinha uma hora de almoço e almoçava na casa da minha avó pois os meus pais estavam a trabalhar. Comia à pressa para ir ver As Cidades de Ouro e não deixava a minha avó ver a telenovela que dava na RTP 1. Hoje em dia, na maior parte das casas, cada um pode ver o seu programa preferido entre as centenas de canais que existem. Na altura existiam apenas dois canais e uma televisão em casa. A televisão era para ser vista em família. Hoje, mesmo inconscientemente, cada um isola-se um pouco dos outros membros da família e assiste ao programa que quer, passa algum tempo em frente ao computador a “falar” com os amigos, lê um livro, joga na consola, etc.

“As Misteriosas Cidades do Ouro” são uma mistura de História, Ficção Científica e o Fantástico. Eu ficava maravilhado com tanto mistério e aventura. Talvez tenha sido por esta série (ou não) que eu tenho um fascínio enorme pelas civilizações Maia, Asteca e Inca.

A série remonta-nos ao cenário histórico do século XVI, no período de expansão dos impérios Português e Espanhol e numa época em que a ambição e coragem só eram ultrapassadas pela devoção religiosa e pela sede de conquistas e poder. Mas a serie transmite mais do que isso. Valores como a família, amizade, coragem e respeito que através das personagens Estebam, Zia e Tao simbolizam a supremacia sobre a maldade, traição e ganancia. Estas três personagens são certamente exemplos a admirar e a seguir pelos mais novos e não só.

A história começa em 1532 na cidade de Barcelona e acompanha Esteban, um rapaz de 12 anos, na sua jornada. Ancioso pela aventura, Mendoza, consegue convencer Esteban a viajar com ele para o Novo Mundo para procurarem as misteriosas cidades de ouro. Isto porque o pai de Esteban parece estar relacionado de alguma forma com o mistério das cidades. Somos transportados até aos mundos da lenda do El Dorado. Uma antiga lenda narrada pelos índios aos espanhóis que falava de uma cidade cujas construções seriam todas feitas de ouro maciço e cujos tesouros existiriam em quantidades inimagináveis. Existem varias versões da história. Durante a viagem Esteban conhece Zia, uma jovem Inca, que tem o mesmo medalhão estranho que ele, e Tao, um rapaz descendente do lendário povo de Mu. Juntos irão viver uma longa aventura cheia de descobertas e de perigo.


Com esta série iremos conhecer histórias, tradições, factos e mistérios surpreendentes sobre as varias civilizações do Novo Mundo. Entre elas, os povos Maia, Asteca e Inca, senhores de uma civilização extremamente avançada para a época. Visitaremos ainda os vestígios das suas culturas, cidades, templos e outro tipo de monumentos. Resumindo, faremos uma empolgante viagem pelos mundos misteriosos destes povos que eram dotados de uma sabedoria ainda hoje em dia estranha para nós e que foram dizimados e colonizados pelos conquistadores europeus.

Era isto que eu via na minha hora de almoço, um mundo repleto de aventuras e mistérios com um pouco de história à mistura. E ficava maravilhado com estas coisas.

A série talvez tivesse passado despercebida durante vários anos, mas hoje em dia encontra-se à venda na Fnac e até já saiu em fasciculos através da Editora Planeta DeAgostini e Altaya. O preço não é muito acessível, mas penso que deveriam fazer isto com todas as séries que passaram na nossa tv, caso contrário não temos acesso a elas e as novas gerações não sabem o que perdem!