Boa noite a todos!

A entrevista de hoje é com a Inês Silva que com 19 anos de idade fez o seu primeiro cosplay em 2007.
O fato sobre o qual vamos falar hoje – Pandora de Saint Seiya Lost Canvas – foi usado nos eventos Anicomics 2011 – no qual ganhou o prémio de melhor fato -, no Anicomics 2012  e  no stand da Banca do Japão no BTL do mesmo ano.

Então, vamos lá?!

1. Porquê a escolha desta personagem para cosplay?
Desde pequena que adorava ver os Cavaleiros do Zodíaco, por isso quando saiu a série “Lost Canvas” tive de a ver e, claro, apaixonei-me logo pela Pandora. Ela tem uma personalidade difícil, mas é incrivelmente leal à sua maneira (mesmo que às pessoas erradas) e isso é algo que aprecio muito.

2. Porquê este fato em especifico?
A maioria dos fatos do anime são muito tapados, quase não mostram pele, mas no manga a Pandora tem toda uma faceta mais sexy e que eu acho que faz muito parte dela, por isso voltei-me para o manga.

3. Quanto tempo demorou a ser feito?
Os meus fatos demoram sempre muito tempo a serem feitos, porque faço sempre vários ao mesmo tempo (e a faculdade também não ajuda). Este, em particular, demorou cerca de um mês e meio (menos que a maioria) depois de ter comprado os materiais todos.

4. O que gostaste mais de fazer? E menos?
Acho que não há nada que não tenha gostado de fazer. Talvez o que tenha gostado mais de fazer tenha sido a luva, porque tive de pensar numa forma de conseguir que parecesse que fazia parte da armadura, e ao mesmo tempo poder mexer os dedos uma vez que é a mão que agarra no tridente, e gostei do desafio. Talvez aquilo de que gostei menos tenha sido de costurar o fato em si. A costura não é um dos meus fortes, e as imagens de referência não são das melhores, por isso tive de improvisar bastante (risos).

5. Dirias que o fato, na sua totalidade, foi de fácil ou difícil construção?
Na altura foi um desafio fazer o corpete, por causa das curvas; queria que se ajustasse bem ao corpo e os materiais que temos disponíveis em Portugal não permitem muito. A cobra para por na perna foi outro pesadelo, tive de a fazer várias vezes (risos). Agora, olhando para trás, parece-me que foi mais difícil do que deveria ter sido (risos)

6. Gastaste por volta de quanto dinheiro neste cosplay?
No total, sem contar com os sapatos, creio que terei gasto cerca de 50, 60 euros. Gostaria de ter investido mais no tecido, mas na altura não me foi possível.

7. Aprendeste alguma coisa nova durante o processo?
Com todos os fatos que faço aprendo alguma coisa. Aliás, procuro fazer fatos que me ensinem sempre algo, gosto do desafio.

8. Gostaste do resultado final?
Gostei bastante do resultado final, mas não estou completamente satisfeita: com o que sei agora acho que podia fazer melhor, mas também é verdade que tenho sempre tendência a pensar que poderia ter feito isto ou aquilo de forma diferente.

9. Que achaste da recepção da comunidade quando fizeste este cosplay?
A reacção da comunidade foi muito boa, há muito poucas raparigas a fazer armaduras (por muito pequenas que sejam, como as minhas), por isso tive bastante gente a perguntar-me como tinha feito as várias partes. Desconfio que o facto de ter as pernas todas à mostra também tenha contribuído para a boa resposta que tive (risos).

10. Agora olhando de novo para o fato, mudarias alguma coisa?
Há sempre algo que gostaria de mudar. Sempre, não consigo evitar! Mas como quero fazer outros fatos tenho de seguir em frente e de vez em quando aproveitar e refazer uma ou outra parte para tirar algumas fotos.

– Fotografias por António Lima

Por hoje é tudo, espero que tenham gostado e até para a semana.🙂