Tags

, ,

Artigo com autoria de Fukiri Kurotsurugi 

A pedido de muitas famílias e derivado também a vontade própria (muita), decidi apresentar-me neste blog com a review da fabulosa série Mirai Nikki.

Mirai Nikki conta a história de Yukiteru, que é arrancado da sua vida normal (dependendo do que se considera como “normal”) pelo seu amigo imaginário Deus Ex Machina, que afinal é um deus (yes, really), e é atirada para o meio de um “jogo”. Este jogo consiste num death match entre 12 pessoas, cada uma delas com um diário que lhes permitem saber o futuro. O vencedor, aquele que sobreviver, ganha o direito de suceder a Deus como… bem, Deus.

Não culpo ninguém por achar este conceito interessante. De certo modo, quase que lembra um Battle Royale, mas com a premissa de cada jogador ter um telemóvel ou algo semelhante, que lhes dá a possibilidade de ascenderem a Deus. Provavelmente também vem com Instagram incluído, por isso, yay! O problema disto é que conforme a história se vai desenvolvendo, mais plot holes vão aparecendo, acabando por se tornar uma mixórdia de coisas aleatórias e absurdas que no final ainda acabam por fazer menos sentido.
Mas vamos por partes, passemos primeiro à análise aprofundada das personagens que não têm profundidade nenhuma:

Primeiro, First, o protagonista masculino *rufar de tambores*: mais chorão e inútil que Ganta de Deadman Wonderland; mais clueless que Shirou de Fate/ Stay Night; mais… okay, não tão mau quanto o Makoto de School Days, Yukiteru! Já há muito que não via um protagonista tão desenquadrado e inútil. Aliás, a única razão pela qual não morre logo no primeiro episódio é porque ficava mal a personagem titular acabar assim. O pior disto tudo é que o seu desenvolvimento é inexistente… ou quase. Ele começa inútil e acaba inútil. Mas por uma razão completamente descabida que ainda estou a tentar entender, existe uma rapariga que gosta… não, é obcecada por ele…

A Second, a personagem que toda a gente acha fofa (numa side note, eu também acho que o Jason Voorhees é uma jóia de pessoa), a Yuno. (Num aparte, para quem não sabe o nome dela deriva da deusa Juno, e o do Yukiteru de Jupiter. Pronto, agora que sabem a parte profunda da série, posso continuar.) Portanto, a Yuno é completamente psicótico-obsessiva e uma autêntica sociopata. Há quem tente justificar isto com: “Aww, mas isso é porque ela o ama!”. É da minha opinião que alguém que “gosta” tanto de alguém ao ponto de querer matar os seus amigos porque não é dada a “partilhar” precisa urgentemente de ser encarcerada no Magalhães de Lemos, bem como as pessoas que acham isto querido e fofo. Muitos dirão que a série explica precisamente o porquê de ela ser assim, mas a explicação além de não justificar de forma alguma as acções da Yuno, ainda torna tudo completamente sem sentido ao ponto de ser ridículo. Faz tanta lógica como o Yukiteru andar diariamente com dardos nos bolsos, zero.

Depois temos o resto. Todas as personagens são, de uma forma ou doutra, alucinadas e todas elas têm um passado trágico, o que considero tentativa falhada de fazer com que elas não pareçam unidimensionais. O que me leva a salientar o desenquadramento de Yukiteru, afinal por que razão está uma pessoa “normal”, sem nenhuma motivação para ser um sociopata, ali no meio? Não faz sentido nenhum. Mas estas personagens têm algo em comum com Yukiteru que é não terem desenvolvimento nenhum. Em linhas gerais, aparecem, são derrotadas pela Second, e assim sucessivamente. É difícil sentir pena por personagem A ou B mesmo que ela tenha tido uma morte dramática e um passado traumático porque simplesmente não houve desenvolvimento para que existisse uma empatia entre a personagem e o espectador.

Excepção à regra é a Ninth, Minene. Essa tem desenvolvimento, mas como muito na série, também não faz sentido nenhum. Uma terrorista psicótica que rebenta com uma escola e os seus estudantes decide a meio que até é boa pessoa porque… coisas. Se calhar era bipolar e esqueceu-se dos comprimidos… não sei, mas seria melhor explicação do que nenhuma.
Depois temos o Akise, que apesar de não possuir um diário do futuro, é uma personagem importante na série… e esperem até descobrir porquê, porque tem mesmo piada do quão ridículo é.

História:

É completamente mal conseguida, maior parte dos acontecimentos acontecem sem explicação aparente, e quando têm explicação raramente é lógica ou justificável. A série consegue ter mais plot holes que um queijo suíço e tenta compensar tudo através do shock value e do gore. Nem as cenas conseguem fluir sem problemas, é usual acontecer um momento de comédia logo a seguir a uma cena gore ou séria, o que me deixou muitas vezes sem saber como reagir àquela situação. Não digo que uma série deste género não possa ter cenas de comédia, mas têm que saber quando e como as colocar, um bom exemplo disso seria Higurashi no Naku Koro ni. E o mais interessante é ter sempre a impressão que todas as personagens têm um défice de atenção porque agem de forma completamente ilógica mesmo depois de certos eventos. Um exemplo disso é uma das personagens perder o pai às mais do Yukiteru e da Yuno e mesmo assim se tornar amiga deles; o Yukiteru perder pessoas importantes e não reagir muito por ali além mas conseguir “mudar” (leia-se simular) de personalidade só porque a Yuno diz? Quer dizer, a suspensão de realidade só funciona até um certo ponto.

Já agora, tendo em conta a premissa inicial de o vencedor se tornar Deus… já mencionei que esta gente está a tentar matar o resto dos jogadores para serem Deus sem saberem a que poderes têm direito? Pois.

Em relação ao final, nem vou comentar, basta dizer que a série passa de um Battle Royale a um Dragonball, com pessoas a voar e a mandar bolas de energia umas às outras. E sim, não estou a brincar. E isto tudo acontece porque Deus quis e obviamente não são precisas outras explicações.

Mas pronto, ouçam os openings e os endings, esses valem a pena. Não me perguntem sobre o OST, o meu cérebro estava muito atarefado a tentar arranjar explicações lógicas para o que estava a ver para notar.

 Pessoalmente, se querem ver algo com gore que não se limita ao shock value e com uma história sólida vejam ou Elfen Lied, ou Higurashi no Naku Koro ni ou Umineko no Naku Koro ni. Não toquem em preciosidades como Deadman Wonderland ou OoKami Kakushi porque conseguem ser tão más ou piores que isto. Alternativamente vejam Mirai Nikki Abridged no Youtube, vale mesmo a pena e eu aconselho vivamente.

Cujo primeiro episódio podem ver aqui mesmo.